terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Foi a saudade que me trouxe pelo braço



“Aqui estamos de novo!”

O anúncio do Palhaço indica o início do espetáculo transformado e ela prepara o sorriso, caminhando nas pontas dos pés calçados em sapatilhas negras para o centro do palco. É nesse momento em que ela admite que sentiu falta de tudo aquilo, das piruetas e acrobacias, das perseguições e truques de mágica, da confusão, da loucura, do teatro duvidoso ao som da música tocada por uma orquestra desenfreada.

O palco governa os atores e seus amores, rivalidades, vidas e mortes. Eles vão representar a mesma história noite após noite, de cidade em cidade, e alguns chamariam de prisão, mas a verdade é que não é nada mais do que a vida para todos eles.

Se fora do palco ela deixa de ser a jovem apaixonada e casta que dança apenas para seu amado, se do lado de fora ela troca de máscaras e pisa no chão não como quem flutua, mas como quem sabe bem para onde vai e o que quer, se ao dar um passo para longe do teatro ela é seguida pelos sussurros, se tudo isso acontece fora do palco, ninguém na plateia precisa saber.

A plateia só necessita do teatro, das piruetas, da dança e da mágica. E por eles ela veste de novo os losangos pretos e brancos, pinta o rosto ao invés de pôr as máscaras, e sorri como quem tem sonhos e é capaz da mais pura felicidade.


Ela realmente sentiu falta de tudo aquilo.

x

Então... Existiu um desafio que me foi feito no carnaval passado, por uma Chapeuzinho Vermelho e uma Colombina, se não muito me engano. No fim das contas, não consegui fazer o desafio inteiro num texto só, então vou ver se faço em mais de um. Com um ano de atraso. Não me julguem. E acho que muita gente já sabe de onde vem o título, mas caso não saibam...

7 comentários:

  1. acho massa caber tanto sentimento num texto pequeno assim. um momento que poderia ser apenas mais um, mas é repleto de significado pra moça.

    ResponderExcluir
  2. "Se fora do palco ela deixa de ser a jovem apaixonada e casta que dança apenas para seu amado, se do lado de fora ela troca de máscaras e pisa no chão não como quem flutua, mas como quem sabe bem para onde vai e o que quer, se ao dar um passo para longe do teatro ela é seguida pelos sussurros, se tudo isso acontece fora do palco, ninguém na plateia precisa saber".

    Esse parágrafo brilhou. Até faz a gente perdoar o atraso de um ano e o desafio em frações. Volte também, mocinha! A saudade também pega os que escrevem pelo braço... E os que leem.

    ResponderExcluir
  3. Rapaz, gostei muito. O parágrafo que a lud destacou realmente foi brilhante. O texto me fez lembrar de Dorian Gray, em uma ótica mais positiva rs. E também do filme "O Palhaço", de forma menos negativa. Acho que o drama é forte nesse tema. Achei adoravelmente bem escrito e como o Nelson disse, cheio de significado.

    ResponderExcluir
  4. Rafa, ja assitiu o documentário "Doutores da Alegria" ? Fala muito bem sobre a figura do palhaço, axei foda.

    ResponderExcluir
  5. tó https://www.youtube.com/watch?v=i4ikksJAr2M

    ResponderExcluir
  6. hm... We have a nice prologue here, eh?

    ResponderExcluir